quinta-feira, 8 de maio de 2014

Duzentos milhões em ação


DUZENTOS MILHÕES EM AÇÃO

Clóvis Campêlo

Éramos muitos pequenos ainda, mas já participávamos do clima reinante de euforia. Tudo nos parecia azul, inclusive o muro de combogós da casa da velha Anunciada, que ficava em frente à casa dos meus pais. A goleada já se anunciava quando decidimos pular na areia de cima do muro citado. Meu irmão Carlinhos, com apenas quatro anos de idade, deu-se mal com uma luxação no braço. Dona Tereza, minha mãe, achou que eu, por ser o mais velho, deveria ser responsabilizado pelo acontecido. Assim, antes do encerramento do tempo regulamentar, ganhei umas chineladas. Foi dessa maneira, apanhando, enquanto Didi, Pelé, Vavá e companhia bailavam na Europa, que ganhei a minha primeira Copa do Mundo, em 1958.
Em 1962, mais experiente, não me arrisquei a tanto. Além do mais, com uma crise de furunculose na coxa esquerda não teria a mesma mobilidade. Após o jogo e a vitória contra a Checoslováquia, lembro do meu pai comentando com João Amaral, um dos vizinhos, o feito inacreditável da seleção brasileira de futebol conquistando o bi mundial. Mas também foi chorando feito o menino que eu era que comemorei o título. Não só pela emoção reinante no ar, mas também por ter “magoado” as perebas durante a comemoração de um dos nossos gols. Mas tudo era alegria.
Em 1970, quando do tri, já era homem feito e servindo a gloriosa Força Aérea Brasileira. Foi a primeira Copa televisionada diretamente para nós, brasileiros, ainda em preto e branco. Alguns dos jogos da nossa seleção, assisti na Base Aérea do Recife, em serviço. Mas a grande final, contra a Itália de Gigi Riva, assisti na cada dos pais de um amigo, na Rua Comendador Morais, no Pina, que ficava na esquina da rua da zona famosa, do baixo meretrício. Findo o jogo e ganho o tri de forma contundente, só nos restava os salões de Alaíde Drinks, nossa pensão preferida, com sua radiola de fichas, para a comemoração. O meu irmão Carlinhos (fiel escudeiro, como sempre ao meu lado em mais uma final de Copa do Mundo) entrou no salão com uma bandeira enorme do Brasil, que logo se enrolou em um dos ventiladores de teto, causando uma pequena confusão. Contornado o imbróglio (afinal tudo era motivo para festa), mergulhamos na cerveja e na alegria, ao lado das raparigas e dos outros clientes. Aos dezoito anos de idade, ninguém tem motivo suficiente para ser infeliz. E, afinal de contas, éramos tricampeões mundiais de futebol, espantando de vez o complexo de vira-latas a que se referia com tanta propriedade o escritor Nélson Rodrigues.
Nem na época do regime de exceção, na época da ditadura militar, sob a tutela de quem conquistamos o histórico título, coloquei-me contra a seleção brasileira de futebol, como alguns o fizeram. Afinal, conforme mais uma afirmação rodrigueana, a seleção brasileira era a pátria de chuteiras. O povo brasileiro referendou aquela conquista e eu, que também sou brasileiro, fui atrás com orgulho e satisfação.
Se depender de mim, este ano, seremos duzentos milhões em ação!

Recife, 2014