segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

O bonde elétrico no Recife


O bonde elétrico no cenário do Recife
Foto de Mário de Andrade

O BONDE ELÉTRICO NO RECIFE

Clóvis Campêlo
-
Os bondes elétricos surgiram no Recife como consequência do processo evolutivo dos meios de transporte coletivo na cidade.
O serviço de bondes elétricos foi inaugurado oficialmente no dia 13 de maio de 1914, sendo governador do Estado o general Emydio Dantas Barreto. O novo serviço público de transporte coletivo, substituto dos bondes de burros e da maxambomba, era explorado pela companhia inglesa Pernambuco Tramways & Power Company Limited.
Segundo o site da Fundação Joaquim Nabuco, os bondes elétricos eram altos e possuiam estribos para facilitar a subida e a descida dos passageiros. Mediam três metros de largura e tinham bancos largos de madeiras para acomodar cinco ou seis passageiros, cada um. As linhas de ida e de volta, independentes uma da outra, ocupavam quase toda a largura das ruas. Era o único meio de transporte coletivo, naquela época, já que os automóveis eram caros artigos de luxo importados.
Nos carros de primeira classe, era proibido fumar nos três primeiros bancos. Nos reboques de segunda classe, eram carregados fardos de verduras e frutas, além de todo tipo de mercadorias para abastecer os mercados dos subúrbios.
Segundo os estudiosos do assunto, vários fatores colaboraram para a extinção dos bondes elétricos na nossa cidade, apesar de rodarem até praticamente o final dos anos 50, como o crescimento demasiado da área urbana, com a criação de novos bairros, e a dificuldade para se encontrar peças de reposição, após a Segunda Guerra Mundial.
Consta ainda que, apesar do seu espírito pioneiro, o Recife foi a última das grandes capitais brasileiras a instalar o serviço de bondes elétricos.
Em dezembro de 1928, o escritor paulista Mário de Andrade visitou o Recife, como cronista do Diário Nacional, fazendo vários registros fotográficos dos bondes na paisagem metropolitana, como o que ilustra essa matéria.
Em 1960, os bondes elétricos foram definitivamente substituídos por ônibus elétricos, os tróleibus, adquiridos nos Estados Unidos e pertencentes à Companhia de Transportes Urbanos, estatal ligada à Prefeitura da Cidade do Recife.
Era a modernidade chegando definitivamente ao Recife.


Recife, 2010