sábado, 30 de março de 2013

Pernambuco Cantando Para o Mundo



Fotografias de Cida Machado/2008

PERNAMBUCO CANTANDO PARA O MUNDO

Principais momentos do programa “PE Cantando Para o Mundo”, do dia 22 de fevereiro de 2008, na Rádio Universitária AM, onde fomos entrevistados pela jornalista Luciana Amorim, no quadro Artista da Terra.

LA – Chegou a hora do nosso Artista da Terra. Hoje, vamos conversar com o escritor pernambucano Clóvis Campelo. Ele que se define como aprendiz de poeta e fotógrafo amador. Formado em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco, Clóvis publica trabalhos em jornais conceituados do nosso Estado e em sites como o Interpoética e o Plataforma Para a Poesia, entre outros. É moderador do grupo virtual Poetas Independentes e está hoje conosco para conhecermos mais sobre ele e o seu trabalho. Lembramos que ele esteve no nosso primeiro programa falando sobre os Poetas Independentes. Boa tarde, Clóvis.

CC – Boa tarde, Luciana. É um prazer retornar aqui, nós que participamos do primeiro programa e vemos que ele vem crescendo em qualidade e audiência. É bom estar com vocês novamente.

LA – Nós é que agradecemos. Clóvis. Como começou a sua paixão pela poesia?

CC – A paixão pela poesia começou há muito tempo atrás, junto com a paixão pela fotografia também. Às vezes é difícil conciliar as duas coisas, mas a gente vai administrando.

LA – E há quanto tempo você trabalha fazendo poesias?

CC - Desde a adolescência. No começo, uma coisa muito incipiente. Depois, observando os grandes mestres, procurando aproveitar o que eles têm de melhor e aprendendo com eles a fazer cada vez mais.

LA – Tem autores que te influenciaram?

CC – Tem. Eu vou começar pelo final. Ultimamente, quem muito me influenciou foi Alberto da Cunha Melo, recentemente falecido. Não só pelo conteúdo dos seus poemas, como também pelo fato dele ter criado uma nova forma de fazer poemas. Existem muito poucas formas de se fazer poemas. Algumas são antiguíssimas, como o soneto. Dificilmente os autores que criam, criam em cima de uma forma nova. Geralmente, eles pegam as formas existentes e usam aquilo para fazer a sua poesia. Alberto criou uma forma chamada "retranca" e que se refere ao futebol porque são poemas de onze linhas - um quarteto, um dístico, um terceto e outro dístico. Dentro dessa forma, ele criava os seus poemas. Observando isso aí, procurei seguir essa linha e aprendi muito com ele, nesse sentido.

LA – No início da sua carreira, algum poeta específico lhe influenciou?

CC – Sim. Todos os poetas modernistas. Eu comecei querendo ser modernista. Depois, procurando as formas mais tradicionais, num caminho inverso ao que as pessoas geralmente fazem. Então, todos os poetas modernistas, como Manuel Bandeira, me influenciaram muito. Aqui no Recife, tem uma pessoa que particularmente me influenciou muito não só pela sua capacidade de criar como pelas suas atitudes pessoais que foi Jomard Muniz de Brito. Durante muito tempo, eu tive uma grande admiração por ele. Tem outro poeta aqui também que eu gosto muito, que me influenciou muito que é Wilson Araújo de Souza. Wilson é um poeta contemporâneo, maranhense, radicado aqui no Recife há muito tempo e que também me influenciou muito no começo.

LA – E a poesia de Clóvis Campêlo hoje, ela segue uma classificação certa ou você ainda busca inspirações no Romantismo, no Modernismo. Como você poderia classificar a sua poesia hoje?

CC – Eu classificaria a minha poesia como uma poesia que ainda está em fase de desenvolvimento. Eu ainda sou um aprendiz nesse sentido em que eu falei: olhar os grandes mestres e tentar aprender com eles. De uma maneira geral, eu não me sinto preso a nenhuma forma de fazer poesia. É uma coisa muito livre, muito circunstancial.

LA – E como surgiu o seu trabalho com fotografia? Você tem um blog que divulga suas poesias e suas fotografias.. Como surgiu esse trabalho com a fotografia?

CC - Fotografia e poesia são coisas muito parecidas no sentido de que ambas formam imagens. A fotografia, trabalhando com a luz. Os poemas, com as letras e sugerindo imagens. Houve uma época em que eu trabalhei na Secretaria de Imprensa do Sindicato dos Previdenciários e nessa época nós fizemos um jornal lá e então eu tive a possibilidade de trabalhar mais como fotógrafo. Houve uma época, também, em que eu participei de um grupo chamado Grupo 3, que era um grupo que tinha uma proposta interessante, porque a fotografia surgiu como conseqüência da necessidade dos artistas renascentistas de copiarem a realidade exatamente como ela é. Então criaram aquela história da câmera escura que evoluiu e chegou à câmera fotográfica. O Grupo 3 tinha uma proposta que era o inverso. Em vez de se fazer uma fotografia que retratasse a realidade, era transmutar essa realidade deixando até mesmo de ser figurativista. E tem umas coisas interessantes que foram feitas por esse grupo, do qual faziam parte duas pessoas que eu admiro muito e que também são poetas e fotógrafos, que são Bartolomeu Lima e José Rodrigues Correia Filho, tem dois trabalhos que nós fizemos no grupo que se chamavam “Paredes” e “Restos de Campanha”. Nós chegamos inclusive a expor no MISPE esse trabalho, “Restos de Campanha”, que é um trabalho que busca fazer com que a fotografia perca esse sentido figurativista de copiar a realidade e cria algumas composições que se aproximam do abstrato.

LA – O que poderia falar ainda sobre o seu trabalho aqui em Pernambuco? Como você faz e divulga o seu trabalho?

CC – Fotografia é uma coisa que considero hoje muito mais um hobby do que uma profissão. Então é uma coisa que a gente faz pelo prazer de fazer. Já a poesia, eu acredito que com o grupo Poetas Independentes onde nós tivemos a possibilidade de conviver com outras pessoas que são poetas, grandes poetas, a gente amadureceu e aprendeu muito.

LA – E vocês convivem virtualmente com poetas de outros Estados, várias partes do Brasil e até do Exterior. Como é que você faz a divulgação desse trabalho?

CC – No ano passado nós conseguimos fazer um livro que é a “Antologia Poética 2007” dos Poetas Independentes. Nós temos essa proposta de lançar uma antologia de dois em dois anos. Sempre num caminho inverso. Em vez de sermos um grupo de poetas já existente e que se lançou na rede, nós começamos na Internet e depois partimos para editar e publicar um livro.

LA – Na sua opinião como é o reconhecimento da literatura aqui em Pernambuco?

CC – A literatura pernambucana sempre foi muito rica, principalmente a poesia. E você sobreviver no meio dessas cobras criadas, às vezes, exige uma capacidade de superação muito grande. Mas é importante também porque convivendo com esse pessoal que é muito bom, Recife sempre teve grandes poetas, Pernambuco sempre teve grandes poetas, faz com que você também tenha esse ímpeto de crescer, de querer chegar no estágio onde os grandes poetas pernambucanos estão.

LA – E a receptividade das pessoas, dos pernambucanos?

CC – De uma maneira geral a poesia não é uma coisa muito acessível ao grande público. É claro que existe a poesia de cordel que é mais fácil, existem algumas coisas assim, mais acessíveis. Mas existe um público bom consumidor de poesia, que tem um nível bom também de entender os trabalhos mais elaborados.

LA – Muito obrigado, Clóvis, por aceitar mais uma vez o nosso convite.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Tudo


TUDO

Clóvis Campêlo

Tudo arde,
tudo é fardo,
tudo é charme,
tudo é tarde,
tudo é dardo,
tudo é alarme.
Onde cabe em nós o NADA?


Recife, 2009

segunda-feira, 25 de março de 2013

O início



O INÍCIO

Clóvis Campêlo

Não é fácil romper com a inércia.
Romper com a inércia significa romper com o equilíbrio.
Mover-se exige isso.
Ao mesmo tempo, o movimento significa afastamento e aproximações, novos cenários, novos desfrutes e possibilidades.
Isso também traz medo, embora excite e libere a imaginação.
Ninguém sabe o que pode vir após o Cabo da Boa Esperança...
Navegar, porém, é preciso.
Em busca do novo, em busca do inusitado.
Navegar é preciso!


sexta-feira, 22 de março de 2013

A mentira, o desejo e o sonho


A MENTIRA, O DESEJO E O SONHO

Clóvis Campêlo

Havia um ângulo de tensão em seu olhar
e nós estávamos embaixo do viaduto
respirando os primeiro raios do sol.
O velho caudilho havia morrido ontem
e, no entanto, estava mais vivo
do que nunca.
Um mendigo dormia
imune à eletricidade da manhã
e eu buscava uma razão
para quebrar a inércia.
Você arrotava cuba-libre,
eu tinha medo da solidão,
metia as mãos nos bolsos
e coçava os testículos.
O dia nascia impune
na praia do Pina
iluminando as nossas
caras cansadas
e eu sentia pena
das putas do Bar da Central.
O meu coração era um fio de nylon
e a cidade bocejava preguiçosa.
O professor havia ido embora
sem conseguir nos iludir
com a sua falsa alegria tropicalista,
péssimo ator que era.
Emmanuel estava conosco
e o diabo também.
Éramos os bobos da corte
e não queríamos ser degolados.
Éramos a personificação
da mentira, do desejo e do sonho.

Recife, 1985

terça-feira, 19 de março de 2013

Igreja Basílica de Nossa Senhora do Carmo






IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DO CARMO
Bairro do Santo Antônio
Recife, março 2013
Fotografias de Clóvis Campêlo

segunda-feira, 11 de março de 2013

Igreja Concatedral de São Pedro dos Clérigos






IGREJA CONCATEDRAL DE SÃO PEDRO DOS CLÉRIGOS
Recife, março 2013
Fotografias de Clóvis Campêlo

domingo, 10 de março de 2013

Poema ao guerreiro


Fotografia de José Carlos de Paula/2004

POEMA AO GUERREIRO

Para Ernesto "Che" Guevara

Clóvis Campêlo

Toxina capitalista
caindo no precipício
de uma garganta profunda.

Ente revolucionário
morrendo à beira do mangue
de susto, de bala e vício.

No fim, apenas o início
de uma alegria que inunda
e estanca o sangue na lama
enquanto a vida derrama.

Recife, 1994

sexta-feira, 8 de março de 2013

Ratos


O rato gigante de Nova York

RATOS 

Clóvis Campêlo 

Diz a lenda que em Nova York existe cerca de 8 milhões de ratos. Ou seja, um rato para cada habitante. Coisa de primeiro mundo.
No entanto, no Recife, a nossa Veneza Brasileira, dizem que a população de roedores excede em cinco vezes a população humana. Ou seja, seriam cinco ratos para cada mortal humano. Um recorde. Coisa de terceiro mundo.
Não sei se as estatísticas acima procedem e se realmente superamos a capital do mundo nessa questão. Mas, no início do ano passado, no bairro do Bronx, foi capturado e morto um rato com quase um metro de comprimento, deixando os moradores assustados. Na verdade, um super rato na terra dos super-heróis fantásticos. Em 2011, porém, em outro bairro da cidade, conforme o site da Globo Notícias, um roedor parecido já havia sido abatido. Para provar que a história não era invenção ou brincadeira, a imagem do rato gigante foi publicada por um usuário no twitter e depois reproduzida por vários jornais, entre eles os ingleses Daily Mail e The Sun.
Aliás, sobre os ratos de Nova York já existe até um livro publicado. Trata-se da obra “Ratos: Observações Sobre a História e o Habitat dos Habitantes mais Indesejados da Cidade”, de Robert Sullivan. Segundo consta, entre 2001 e 2002, para escrevê-lo, o escritor americano todas as noites, munido de óculos noturnos infravermelhos, observava uma colônia de ratos que se banqueteava com os restos de comida de um restaurante chinês em Eden's Alley, uma pequena rua no distrito financeiro da cidade. O livro chegou a ser elogiado pela crítica literária do The New York Times, Michico Kakutani, que o descreveu como “fascinante... um compêndio instigante e informativo de fatos, teorias e reflexões”. Por seu lado, o The New York Observer disse que o livro não se limita aos ratos, oferecendo às pessoas “uma visão mais profunda da história de Nova York e da essência da humanidade”.
Sobre os ratos, Sullivan os descreve como animais de hábitos noturnos e dotados de um excelente paladar, capazes de detectar minúsculas quantidades de veneno. Devido a atração que sente pelos cabos elétricos, podem ser responsabilizados por 26% dos rompimentos dos cabos da cidade. Seus dentes crescem 12,5 centímetros por ano, o que lhes permite roerem até aço e concreto. Seus esqueletos se contraem permitindo que passem por buracos com apenas a largura média dos seus crânios. Ainda segundo ele, quando não estão atrás de comida, os ratos estão fazendo sexo. Copulam mais de vinte vezes por dia, com o maior número possível de fêmeas. Nas colônias compostas só por ratos machos, fazem sexo uns com os outros.
Segundo o biólogo Luiz Eloy Pereira, do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, as fêmeas procriam mais quando há muito alimento. Em situações de fartura, têm uma gestação de apenas 22 dias, podem ter até 13 filhotes de uma só vez e engravidar novamente 21 horas depois do parto, podendo dar à luz em um ano a mais de 200 filhotes. No entanto, em tempos de pouca comida, controlam a população parindo menos e até mesmo devorando a produção excedente.
Vida de rato não é fácil.