sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Um menino do bairro de São José


UM MENINO DO BAIRRO DE SÃO JOSÉ 

Clóvis Campêlo

Luiz Guimarães faz poemas com a mesma concepção com que compõe suas músicas, carnavalescas ou não: uma simetria barroca.
No entanto, não existe nisso nenhuma atitude antiga ou superada. Luiz é um inovador nos acordes utilizados. O barroquismo diz respeito apenas à simetria, ao equilíbrio dos acordes e à utilização das estruturas melódicas.
Seus poemas são quase acrósticos, feitos a partir da utilização e repetição de uma palavra-chave que vai se desdobrando em considerações poéticas, filosóficas ou sentimentais. Conheci-o pessoalmente assim, primeiro o poeta.
Com toda a simplicidade do mundo, aportou no grupo virtual Poetas Independentes e, no grupo, participou das duas antologias por nós organizadas, nos anos de 2007 e 2010.
Do mesmo modo, no ano passado, dispôs-se a ter uma participação especial conosco no programa Trem das Onze, que apresentávamos todas as quartas-feiras na Rádio Universitária AM do Recife. Foi uma bela oportunidade de mostrarmos ao público ouvinte do horário tanto os seus frevos de rua e frevos de bloco, quanto outras belas canções e também suas composições jazísticas. Foi um programa de alto nível e com uma boa conversa, já que LG também demonstra uma boa memória e uma boa capacidade de transformar essa memória em histórias interessantes para o público ouvinte.
Isso tudo, levou-nos a aceitar o convite e comparecer ao lançamento da sua biografia, Luiz Guimarães – um menino de São José -, ontem à noite, na Associação Atlética Banco do Brasil, no bairro das Graças, no Recife.
O livro, financiado pela Fundarpe, através de projeto aprovado, foi impresso e encadernado na Companhia Editora de Pernambuco. Escrito por Vanda Phaelante e Renato Phaelante, conta a história da vida de Luiz Guimarães desde o namoro dos seus pais até os dias de hoje.
Escrito numa linguagem fácil e acessível, contextualiza o ano do nascimento do compositor – 1934 – e traz depoimentos de muita gente ligada à área musical, além de um bom acervo fotográfico pessoal e da cidade do Recife, com ênfase para o bairro de São José, na época eminentemente residencial.
Vem acompanhado de dois CDs com uma boa parte da produção musical de Guimarães, além das partituras das suas músicas, no final.
Enfim, um trabalho bem feito e que merece ser visto com atenção pela importância ainda não totalmente reconhecida do compositor na música popular pernambucana e brasileira.
É uma pena que compositores do nível e competência de Luiz Guimarães, com seus frevos e chorinhos inovadores, não seja executado pelas grandes rádios AM e FM do Recife e do Brasil. Quem perde somos nós, ouvintes e amantes da boa música, que deixamos de experimentar o biscoito fino da sua produção musical.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Comício de Lula no Recife


COMÍCIO DE LULA NO RECIFE
Recife, 1989
Fotografia de Clóvis Campêlo


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Pescador jogando a rede


PESCADOR JOGANDO A REDE
Recife, 1997
Fotografia de Clóvis Campêlo

domingo, 25 de novembro de 2012

O cinema e a imagem em movimento


Irmãos Lumiére

O CINEMA E A IMAGEM EM MOVIMENTO

Clóvis Campêlo

De onde vem o cinema?
Como essa estranha máquina inventada por austeros cientistas transformou- se numa engenhoca de contar histórias para grandes plateias?

O MALABARISTA E O CANGURU

Alguns historiadores consideram que as primeiras imagens da história do cinema foram conseguidas pelos irmãos alemães Max e Emil Skladanowsk que, em novembro de 1895, apresentaram no teatro de novidades de Wintergarten as cenas de um malabarista e de um canguru boxeador.
As controvérsias, porém, não param por aí: Robert W. Paul e Birt Acres, na Inglaterra, e os irmãos Latham, nos Estados Unidos, por esse mesmo tempo, também executaram projeções públicas com ou sem bilheteria. Também nos Estados Unidos, Thomas Edison começava a exibir e a faturar com os filmes feitos para o seu cinetoscópio: a clientela incipiente pagava 25 centavos de dólares para apreciar cenas de danças e acrobacias.
Pode-se considerar, portanto, que o cinema teve vários pais e surgiu na esteira do desenvolvimento e da pesquisa científica da época.
No entanto, foram os irmãos Lumiére - burgueses mistos de químicos, industriais e inventores - que constaram para a posteridade como os pioneiros a apresentarem o cinema como um espetáculo. Desenvolvendo uma boa máquina de projeção, a partir do cinestocópio de Edison, exibiram no subsolo do extinto Grand Café de Paris, no dia 28 de dezembro de 1895, para uma platéia de 35 pessoas (lotação esgotada ao preço de 1 franco), o filme "A saída da Fábrica Lumiére".
De curiosidade científica, o cinema começou, assim, sob a visão mercantilista da burguesia dominante, a ser visto como um negócio promissor.

A LANTERNA MÁGICA

A história dos antecessores do cinema começa, porém, no século XVII, com o jesuíta Athanasius Kircher, construtor da primeira lanterna mágica dos tempos modernos - equipamento capaz de projetar imagens fixas e que já era conhecido no Egito dos faraós -, concebida a partir da câmara escura do napolitano Giovanni Batista della Porta, acusado de feitiçaria justamente por sua descoberta. Em 1160, em Roma, o dinam,arquês Wangenstein desenvolveu uma lanterna mágica que utilizava luz artificial em vez de luz solar.
A invenção da fotografia, também no século XIX, abriu caminho para que o cinema pudesse surgir como uma combinação da lanterna mágica com as imagens fixadas em filme.
As pesquisas em busca de máquinas que pudessem reproduzir as imagens em movimento prosseguem durante o século XIX. Diversos cientistas procuram fixar movimentos rápidos e imperceptíveis a olho nu: o francês Pierre Janssen elabora uma "câmara-revólver" para registrar a passagem de Vênus pelo Sol, em 1873; o inglês Muybridge monta um complexo equipamento com vinte e quatro câmeras para estudar o galope de um cavalo; o francês Marey, para analisar o voo de um pássaro, inventa um "fuzil fotográfico" capaz de captar doze imagens em apenas um segundo.

ENGENHOCA BURGUESA

A máquina cinematográfica, portanto, surge como consequência de todo esse trabalho de pesquisa e reflete o auge da consolidação burguesa que, através da Revolução Industrial, transforma os meios de produção, as relações de trabalho e a sociedade.
Segundo Jean-Claude Bernadet (O que é cinema, Editora Brasiliense, 1981), "no bojo de sua euforia dominadora, a burguesia desenvolve mil e uma máquinas e técnicas que não só facilitarão seu processo de dominação, a acumulação de capital, como criarão um universo cultural à sua imagem. Um universo cultural que expressará o seu triunfo e que ela imporá às sociedades, num processo de dominação cultural, ideológico e estético".
E embora a burguesia tenha praticado a literatura, o teatro, a música e as artes plásticas, estas eram formas de arte que já existiam antes dela. A arte que ela cria e que surge a partir da experimentação científica é o cinema.
Será que alguma vez, no escurinho do cinema, você chegou e pensar nisso tudo?

(Artigo publicado originalmente no jornal SindPress nº 9, Recife, agosto de 1995)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Fotógrafo Lambe-Lambe


FOTÓGRAFO LAMBE-LAMBE
Recife, 1989
Fotografia de Clóvis Campêlo

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Forte do Picão


FORTE DO PICÃO
Recife, 1997
Fotografia de Clóvis Campêlo

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Lula no Recife





LULA NO RECIFE
Recife, 2000
Fotografias de Clóvis Campêlo


domingo, 18 de novembro de 2012

Duas ou três coisas que eu sei sobre elas


Fotografia de Clóvis Campêlo 2008

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI SOBRE ELAS

Clóvis Campêlo

Como pessoa do sexo masculino, muitas vezes não me sinto à vontade para discutir ou opinar sobre questões que dizem mais respeito às mulheres do que aos homens.
O aborto, por exemplo. Eu pessoalmente sou contra, mas admito que que cabe às mulheres decidirem sobre o que fazer com o seu corpo e com o que ele abriga.
A minha posição contra o aborto, porém, não se prende a nenhuma questão moral ou religiosa.
Diz respeito apenas às amplas possibilidades que as mulheres têm hoje de evitar a gravidez.
Deixar-se engravidar, portanto, pode ser um ato de extrema irresponsabilidade completamente evitável. Pode ser uma aposta na esperteza e na impunidade.
Uma outra questão séria para mim, e essa me envolve diretamente como marido, pai e avô, é a questão da divisão do trabalho na família.
Para mim, caros amigos, a divisão do trabalho no lar reflete simplesmente a divisão do trabalho na sociedade em que vivemos.
Reflete a estrutura vertical do poder instituída no aparelho estatal, nas entidades privadas e até mesmo nas sociedades religiosas.
O poder é privilégio de poucos. Assim sendo, repetimos o adágio popular: "Manda quem pode e obedece quem tem juízo".
Não é só dentro do lar que as pessoas têm a sua força de trabalho explorada.
Assim sendo, embora tenha sido permitido às mulheres, ao longo dos últimos tempos, por uma imposição do capitalismo que sempre precisa se reciclar para continuar lucrando, ocupar determinados espaços que antes eram só dos homens, não se repensou a questão da divisão do trabalho na família simplesmente por que isso não interessa ao sistema.
Penso que é de pleno direito as reclamações e questionamentos femininos. Penso também que nós, homens, precisamos nos reciclar e adotar posturas mais participativas na divisão desse trabalho incessante e necessário.
Quando as mulheres têm dinheiro e poder, porém, transferem essa carga de trabalho a outras mulheres ou mesmo homens, pagando por isso e repetindo o esquema do sistema.
Toda essa visão de exploração do outro esta entranhada em nós, imposta pela educação que recebemos dentro e fora do lar. Assim, as próprias mulheres também são culpadas por isso.
É preciso mudar. Sempre.
Já se disse que o preço da liberdade é a eterna vigilância. Eu digo que o preço do equilíbrio é o eterno movimento e o preço da justiça é a eterna concessão. Quem ama concede e compartilha. Quem não consegue amar, explora o outro e se justifica pelos modelos disponíveis.
É claro que conceder e partilhar também implica em perder.
Não se pode querer tudo ao mesmo tempo agora.
Nós, homens, não somos cachorros para sermos amestrados como tal. Somos seres pensantes e temos o direito de questionar e modificar os costumes de forma consciente e humanizada.

Recife, 2008

sábado, 17 de novembro de 2012

Escadas



ESCADAS
Recife, 1991
Fotografias de Clóvis Campêlo


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

A Praça Maciel Pinheiro


A PRAÇA MACIEL PINHEIRO
Recife, 1989
Fotografia de Clóvis Campêlo

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O Graf Zeppelin no Recife


O GRAF ZEPPELIN NO RECIFE

Clóvis Campêlo

O Graf Zeppelin aportou pela primeira vez no Recife às 19h28 do dia 22 de maio de 1930. Vindo de Sevilha, na Espanha, após evoluções sobre a cidade, atracou na primitiva torre do Campo do Jiquiá. Foi recebido por uma multidão superior a 15 mil pessoas, oriunda do Recife, de cidades vizinhas e até de outras cidades do Nordeste, atraída pela nova maravilha do século.
A escala forçada no Recife, já que a rota original era ir direto da cidade espanhola ao Rio de Janeiro, foi provocada por ventos contrários enfrentados pelo dirigível ao sobrevoar a Ilha de Fernando Noronha.
Ao desembarcarem, os ocupantes foram recebidos pelas autoridades estaduais, a frente o então jovem sociólogo Gilberto Freyre, secretário particular do governador Estácio Coimbra.
Entre os passageiros estavam o infante da Espanha, Dom Afonso de Bourboun e o professor Vicente Licínio Cardoso, da Escola Politécnica do Recife, o primeiro brasileiro a viajar no belo dirigível.
A aeronave permaneceu no Recife até o dia 24, quando, pela madrugada, alçou vôo para o Rio de Janeiro, seu verdadeiro destino. Nesse meio tempo, ocorreram na cidade diversas manifestações de carinho, como recepções, almoços e jantares, além de presentes ofertados pela colônia alemã, como uma plaqueta cravejada de brilhantes.
A visita inusitada foi registrada em versos pelo poeta Ascenso Ferreira:

"Apontou / parece uma baleia se movendo no ar /
Parece um navio avoando no ares! /
Credo, isso é invento do cão! /
Ó coisa bonita danada. /
Viva seu Zé Pelin! /
Vivôoo...
"


Estes versos do poeta estão gravados na placa aposta ao pé da torre metálica do Jiquiá, pelo Governo do Estado de Pernambuco, em 15/9/1981, para perpetuar a lembrança dos 51 anos da primeira escala do Graf Zeppelin no Recife, transformando-a em monumento tombado pela FUNDARPE, após sua restauração, por se tratar da única ainda existente no mundo.
Entre os pernambucanos que viajaram no Graf Zeppelin (236m de comprimento e 30m de diâmetro), constam o Conde Pereira Carneiro, João Cleófas de Oliveira, José Pessoa de Queiroz, Lael Sampaio, Severiano Lins e J. Brito Passos.
Outro ilustre viajante foi o presidente Getúlio Vargas que, em 1933, embarcou para o Rio de Janeiro no Campo do Jiquiá, congratulando-se, na chegada, com o presideente Hindenburg, da Alemanha, "por esta forma de transporte aéreo que o gênio alemão revelou ao mundo".
A última escala do Graf Zeppelin no Recife aconteceu no dia 4 de maio de 1937, vindo do Rio de Janeiro. Daqui, voou direto para Friedrichshafen, percorrendo 7.872 Km, em 88,28 horas, numa velocidade média de 88,8 Kh/h, encerrando o ciclo dos dirigíveis.
Dois dias depois, no Campo de Lackehurst, nos Estados Unidos, o Hinderburg, foi destruído por terrível incêndio, vitimando 36 pessoas entre tripulantes e passageiros, encerrando o ciclo dos dirigíveis.
Durante a sua existência, o Graf Zepellin realizou 65 viagens para o Brasil, com 130 pousos no Campo do Jiquiá.

Recife, 2008

Fonte:
- MACEDO, Napoleão. "Os ventos trouxeram o Graf Zeppelin", in "Recife, Paixão e Tragédia". Coordenação Fernando Menezes. 2 ed. rev. e ampl. Recife: PROPEG, 2000. p. 15/17.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Mulheres do Juazeiro










MULHERES DO JUAZEIRO
Juazeiro do Norte, 1993
Fotografias de Clóvis Campêlo

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Menino do MST


MENINO DO MST
Recife, 1997
Fotografia de Clóvis Campêlo

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Poema inacabado para João


Fotografia de Clóvis Campêlo / 1991

POEMA INACABADO PARA JOÃO

Clóvis Campêlo

Meu caro João,
a noite ainda não chegara aos teus olhos
mas já existia;
e a vida atravessava a avenida
com a naturalidade de um cão
prestes a ser atropelado.
Nada havia a ser dito
mas muitas palavras ecoaram.
Inútil e seca paisagem.
Não havia lágrimas,
não havia cores,
nem mesmo o som do rio capibaribe
ou as mulheres de sevilha.
Tão difícil a tua alma,
tua ansiosa calma.
Teu grito calado,
calcado na mesmice que insistiam
em jogar sobre ti.
Nem mesmo havia transpiração
naquela noite tropical.
Naquela noite, a eternidade do tempo
pairava sobre as águas da guanabara,
negra sombra na noite clara.
E nem mesmo eu sabia dos aviões
quando segurei pela última vez
na tua mão.

Recife, 2011
-

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Mascarados


MASCARADOS
Recife, carnaval 2000
Fotografia de Clóvis Campêlo

domingo, 4 de novembro de 2012

Barcos de Suape


BARCOS DE SUAPE
Cabo de Santo Agostinho, 1991
Fotografia de Clóvis Campêlo


sábado, 3 de novembro de 2012

Imagens de Nossa Senhora da Conceição



IMAGENS DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
Recife, 1995
Fotos de Clóvis Campêlo

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Liêdo Maranhão











LIÊDO MARANHÃO
Olinda, 2008
Fotografias de Cida Machado