quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Visagem



VISAGEM

Clóvis Campêlo

Não sabia se fora um sonho ou uma alucinação.
São Jorge vinha na frente, montado em seu cavalo branco. A luz do sol refletia na sua viseira prateada e projetava no chão uma imagem imponente.
Logo atrás, vinham Dom Sebastião, Zumbi dos Palmares e Antônio Conselheiro, ressuscitados, em estranhas carruagens de fogo.
Em seguida, vinha um exército de caboclos de lança, com suas roupas coloridas e chocalhos estridentes. E eram tantos que nem todos os mouros de Alcácer-Quibir dariam conta.
Findando o cortejo, vinham os batuqueiros dos maracatus africanos, detonando os seus tambores. E a nuvem de poeira que levantavam era tão imensa que poderia ser vista a quilômetros de distância. E o som de trovão que emitiam era tão intenso que o céu se partia ao meio, no meio da tarde.
Por sobre o fabuloso exército, anjos vestidos de branco tocavam trombetas douradas, anunciando uma nova ordem.
O poderoso exército avançava e por onde passava era seguido por uma multidão de doentes e famintos. E todos se sentiam fortes e revigorados como se um milagre estivesse acontecendo. E todos sabiam que eram partes integrantes de uma gigantesca e profunda mudança prestes a acontecer.
A força da fé que animava a multidão era tão grande que rios poluídos se transformavam em leitos de águas cristalinas, repletas de peixes.
A aproximação da turba revolucionária fazia brotar espontaneamente dos campos a colheita semeada e tudo era irmamente dividido.
Não sabia se fora um sonho ou uma alucinação.

-
Recife, 2002

Nenhum comentário: