domingo, 8 de maio de 2016

Da minha cidade


DA MINHA CIDADE

Clóvis Campêlo

Da minha cidade vejo quanto do mundo se pode ver os reflexos...
Por isso a minha cidade é tão imensa como outra aglomeração qualquer
Porque eu sou do tamanho do que invento
E não do tamanho da minha pequenez...

Nas metrópoles a vida é mais pequena
Que aqui na minha cidade nessa planície aluvional.
Na metrópole os grandes prédios fecham a visão do horizonte,
Escondem os céus, impedem o nosso olhar para além do infinito,
Tornam-nos diminutos porque nos roubam o que os nossos olhos
nos podem dar


E a nossa mente imaginar,
E tornam-nos insignificantes 
porque a nossa única riqueza é ver e sonhar.

Nenhum comentário: